Glossário de testes de auto-imunidade

A terminologia da auto-imunidade pode ser de difícil aprendizagem. Apresentamos seguidamente uma compilação dos termos e expressões mais comuns nesta área e a forma como devem ser interpretados.

 

B  |  C  |  D  |  E   |  F  |  G  |  H   |  I  |  J  |  K  |  L  |  M  | 
N  |  O  |  P  |  Q  |  R  |  S  |  T  |  U  |  V  |  W  | Y  |  Z 

 

A

Afinidade
Força da ligação entre um antigénio e um anticorpo.

Anticorpo
Molécula (também denominada imunoglobulina) produzida por uma célula B em resposta a um antigénio. A ligação do anticorpo ao antigénio conduz à destruição do antigénio.

Antigénio
Substância ou molécula que é reconhecida pelo sistema imunitário. A molécula pode provir de um corpo estranho, como uma bactéria ou vírus, ou do mesmo organismo (corpo do próprio doente), caso em que é denominada auto-antigénio.

Célula apresentadora de antigénios
Célula que apresenta um antigénio com uma molécula MHC na superfície da célula.

Síndrome dos anticorpos antifosfolipídicos (SAAF)
A síndrome dos anticorpos antifosfolipídicos (SAAF) é uma doença auto-imune sistémica. Na SAAF, o organismo produz auto-anticorpos contra os fosfolípidos, principais componentes de todas as membranas de células vivas. Os sintomas da SAAF são tromboses venosas ou arteriais, aborto de repetição, trombose, perda fetal e trombocitopenia. Também podem surgir perturbações neurológicas diferentes (excluindo AVC).

Apoptose
Morte programada (suicídio) de uma célula

Hepatite auto-imune
Uma predisposição genética ou uma infecção aguda do fígado pode provocar uma resposta imunitária e a produção de auto-anticorpos contra as estruturas do fígado. A hepatite auto-imune pode desenvolver uma cirrose.

Auto-imunidade
Um corpo humano saudável está equipado com um poderoso conjunto de armas para resistir aos ataques de microrganismos invasores (tais como vírus, bactérias e parasitas). Infelizmente, dá-se por vezes o caso de este conjunto de armas, denominado sistema imunitário, se confundir e atacar o próprio corpo. Esta resposta incorrecta do sistema imunitário é denominada auto-imunidade e pode ser demonstrada pela presença de auto-anticorpos ou linfócitos T reactivos com antigénios anfitriões.

Avidez
Força geral com a qual um anticorpo multivalente se liga a um antigénio multivalente.

 

B

Célula B
Tipo de linfócito, que é uma célula do sistema imunitário. Uma das muitas funções que a célula B desempenha é a produção de anticorpos que se ligam aos antigénios.

Cevada
A cevada é um alimento básico comum da dieta humana e animal. Parte da família das gramíneas, a cevada é cultivada em mais de 100 países e é um dos cereais mais populares, sendo ultrapassada apenas pelo trigo, milho e arroz. Embora a cevada seja razoavelmente adaptável e possa ser cultivada em muitas regiões, é um grão macio, que exige algum cuidado em todas as fases do seu cultivo e colheita.

Enviesamento
Um erro sistemático que leva a resultados que não representam as descobertas verdadeiras.

 

C

Doença Celíaca
A doença celíaca é uma doença auto-imune do intestino delgado que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos de todas as idades, a partir da infância. A intolerância do glúten, que dura toda a vida, causa lesões no tracto gastrintestinal. A consequência é a malabsorção de nutrientes. Apenas uma dieta sem glúten alivia o doente que sofre de diversos sintomas. Os sintomas incluem diarreia crónica, atraso de desenvolvimento (nas crianças) e fadiga, embora possam estar ausentes. Também já foram descritos sintomas noutros sistemas do corpo humano. A doença é mais comum em regiões e países industrializados como a Europa, Rússia, países mediterrânicos, América do Norte e do Sul, África do Sul, Índia, Austrália e Nova Zelândia.

Síndrome de Churg-Strauss
Inflamação eosinofílica e granulomatosa do tracto respiratório com inflamação necrosante dos vasos sanguíneos pequenos a médios; associada à asma e à eosinofilia.

Conjugado
Reagente formado pela ligação covalente de duas moléculas; por exemplo, ligação de fluoresceína ligada a uma molécula imune.

Doenças do Tecido Conjuntivo (DTC)
 As Doenças do Tecido Conjuntivo (DTC) são um grupo de doenças auto-imunes sistémicas que afectam o tecido conjuntivo do corpo. Pertencem a este grupo o lúpus eritematoso disseminado (LED), a síndrome de Sjögren, a esclerodermia, a esclerose sistémica limitada (CREST), a polimiosite/dermatomiosite e a doença mista do tecido conjuntivo (DMTC). 

 

D

 

E

EASI
European Autoimmunity Standardization Initiative

Efectividade
Capacidade de uma intervenção atingir os resultados pretendidos em condições normais.

Eficácia
Capacidade de uma intervenção atingir os resultados pretendidos em condições ideais.

EIA
Enzyme-Immuno-Assay

ELISA
Enzyme-Linked Immunosorbent Assay
O ensaio ELISA é um método de análise quantitativa em que um dos reagentes é marcado com uma enzima, que pode ser um antigénio ou um anticorpo.
Por norma, reveste-se uma placa de titulação com o antigénio correspondente ao anticorpo alvo. Se este anticorpo específico estiver presente na amostra de sangue, ligar-se-á ao antigénio. No passo seguinte da reacção, um anticorpo secundário conjugado com enzima liga-se ao anticorpo alvo. Por causa da enzima, o substrato é transformado numa reacção cromática. A comparação do produto da reacção cromática com o de concentrações normais conhecidas permite determinar a concentração de anticorpos na amostra do ensaio.

Eosinofilia
Presença de uma concentração elevada de eosinófilos (granulócitos eosinófilos) no sangue.

Epidemiologia
A epidemiologia é 'o estudo da frequência, distribuição e determinantes da doença nas populações humanas', segundo o Departamento de Epidemiologia da Universidade de Washington.
São utilizadas informações epidemiológicas para planear e avaliar as estratégias de evitar doenças e como guia para a gestão de doentes nos quais a doença já se desenvolveu.

 

F

FEIA
Fluorescence Immunoassay

 

G

 

H

 

I

IIF
Imunofluorescência indirecta

Doenças inflamatórias intestinais (DII)
As doenças inflamatórias intestinais (DII) são um grupo de doenças crónicas do tracto gastrintestinal que podem ocorrer em diversas alturas da vida. As principais entidades de DII são a doença de Crohn (DC) e a colite ulcerosa (CU).

 

J

 

K

 

L

Rácio de verosimilhança

O rácio de verosimilhança (likelihood ratio) incorpora a sensibilidade e especificidade do teste e fornece uma estimativa directa de quanto o resultado do teste vai alterar as probabilidades de ter a doença.

 

M

Erupção malar
também se denomina erupção em borboleta e é um sinal médico que consiste numa forma característica de erupção facial. Encontra-se muitas vezes no lúpus eritematoso mas não é patognomónica. Também se pode encontrar noutras doenças, como a dermatomiosite, pelagra e síndrome de Bloom.

Doença Mista do Tecido Conjuntivo (DMTC)
DMTC, ou síndrome de sobreposição, caracterizada pelos sintomas sobrepostos de diferentes doenças do tecido conjuntivo (Lúpus Eritematoso Disseminado [LED], artrite reumatóide [AR], esclerodermia, polimiosite, dermatomiosite, Síndrome de Sjögren [SS]). Os resultados típicos são níveis elevados de anticorpos contra a ribonuclease P (U1-RNP), sendo que também podem ser detectados anticorpos anti-nucleares e factores reumatóides, entre outros. O tratamento da DMTC é semelhante ao da esclerodermia e do LED.

 

N

Rácio de verosimilhança negativo
O rácio de verosimilhança para um resultado negativo (LR negativo) indica quanto diminuem as probabilidades da doença quando um teste é negativo.

 

FN / (VP + FN)

 

1 - Sensibilidade

LR neg. =

-----------------

=

-------------------

 

VN / (FP + VN)

 

Especificidade

(VP = Verdadeiros positivos, VN = Verdadeiros negativos, FP = Falsos positivos, FN = Falsos negativos)

AINE
Fármacos Anti-Inflamatórios Não Esteróides

 

O

 

P

Patogénio
Organismo que causa doenças.

Rácio de verosimilhança positivo
O rácio de verosimilhança para um resultado positivo (LR positivo) indica quanto aumentam as probabilidades da doença quando um teste é positivo.

 

VP / (VP + FN)

 

Sensibilidade

LR pos. =

-----------------

=

---------------

 

FP / (FP + VN)

 

1 - Especificidade

(VP = Verdadeiros positivos, VN = Verdadeiros negativos, FP = Falsos positivos, FN = Falsos negativos)

Valor preditivo positivo (VPP)
O valor preditivo positivo (VPP), ou taxa de precisão, ou probabilidade da doença pós-teste, é a proporção de doentes com resultados de teste positivos que tem a doença. O valor preditivo está relacionado com a sensibilidade e especificidade do teste ou método de rastreio.

 

VP

 

Número de doentes positivos

VPP =

---------

=

--------------------------------------

 

 VP+FP

 

Número de resultados positivos

(VP = Verdadeiros positivos, FP = Falsos positivos)

Prevalência
Número de casos de doença numa população numa dada altura (frequência).

 

 

todos os doentes afectados

Taxa de prevalência

=

----------------------------

 

 

todos os doentes testados

  

Cirrose biliar primária (CBP)
A CBP é uma doença auto-imune do fígado. É causada pela destruição dos pequenos canais biliares do fígado, o que provoca a acumulação de bílis seguida de lesões no tecido do fígado.

Resposta primária
Resposta imunitária inicial (celular ou humoral) após a primeira exposição a um antigénio específico.

Probabilidade
Probabilidade pré-teste
Prevalência da doença num grupo específico de indivíduos. Embora a prevalência geral possa ser conhecida, o estado da doença em cada indivíduo pode ser desconhecido antes de um teste diagnóstico, sendo por isso denominado probabilidade pré-teste.
Probabilidade pós-teste
Probabilidade de uma doença após o resultado de um determinado teste. O valor depende da probabilidade pré-teste da doença, bem como da sensibilidade e especificidade do teste.

 

Q

 

R

Fiabilidade
Capacidade de um teste obter os mesmos resultados nas mesmas condições.

Artrite Reumatóide
A artrite reumatóide (AR) é uma doença inflamatória sistémica crónica que afecta as articulações sinoviais, geralmente das mãos, e acaba por causar a deformação das articulações.Os sintomas podem incluir inflamação simétrica das articulações, especialmente das mãos, rigidez matinal nas articulações, dor, inchaço, sensibilidade, fadiga, mal-estar, dores musculo-esqueléticas difusas, perda de peso, sintomas de gripe, anemia.

 

S

Esclerodermia
Esclerodermia, ou esclerose sistémica progressiva (ESP), caracterizada por fibrose do tecido conjuntivo com afecção preferencial da pele, vasos, pulmões, pleura, miocárdio, pericárdio, esófago e intestino delgado. Desconhece-se a causa da doença multi-sistémica.

Sensibilidade

Sensibilidade é o número de resultados de teste verdadeiros positivos.

 

VP

 

Número de verdadeiros positivos

Sensibilidade=

----------

=

-------------------------------------

 

VP + FN

 

Número de doentes com esta doença

(VP = Verdadeiros positivos, FN = Falsos negativos)

 

Especificidade
Especificidade é o número de resultados negativos em pessoas que não têm a doença (resultados verdadeiros negativos nos controlos).

 

VN

 

Número de verdadeiros negativos

Especificidade =

----------

=

-------------------------------------

 

VN + FP

 

Número de controlos

(VN = Verdadeiros negativos, FP = Falsos positivos)

 

T

Doenças da tiróide (auto-imunes)
Nas doenças auto-imunes da tiróide, a glândula tiróide é hipoactiva, como na tiroidite de Hashimoto, ou hiperactiva, como na doença de Graves, devido à existência de auto-anticorpos contra a tiroglobulina (TG) e a hormona estimulante da tiróide (TSH).
Alguns sintomas da tiroidite de Hashimoto são a depressão, mania, sensibilidade ao calor e ao frio, parestesia, fadiga, ataques de pânico, obstipação, enxaquecas, fraqueza muscular, cãibras, perda de memória, infertilidade e perda de cabelo.
Os sintomas que indiciam a doença de Graves são o bócio, hipertensão, fraqueza, fraqueza muscular, degenerescência muscular, aumento de apetite, perda de peso, insónias, tremor, falta de ar, sudação intensa, intolerância ao calor, pele quente e purulenta, cabelo fraco e fino, bem como unhas quebradiças.

 

U

 

V

Vasculite
A vasculite é a inflamação de um vaso sanguíneo ou linfático. A vasculite pode ser dividida em vasculite de grandes vasos, de vasos médios e de pequenos vasos. Cada grupo contém doenças diferentes. 

 

W

Granulomatose de Wegener
Inflamação glanulomatosa do tracto respiratório e vasculite necrosante dos vasos sanguíneos pequenos a médios.
A granulamatose de Wegener pertence ao grupo das vasculites sistémicas que envolvem vasos pequenos.

 

 

X

 

Y

 

Z