Doenças do Tecido Conjuntivo

Analitos Individuais 2

Auto-anticorpos contra

ssDNA | Histonas (IgG/IgM) | Scl-70CENP | PM-Scl | Jo-1 

 

ssDNA

Produto

Artigo N.º

N.º de testes

Varelisa ssDNA Antibodies 148 96 96 testes

Antigénio

Em 1971, Cohen et al. propuseram três categorias de anticorpos que atacavam a molécula do ADN:

  • A primeira categoria atacava epítopos conformacionais associados à estrutura nativa de dupla hélice. Por definição, estes anticorpos do ADN são os únicos anticorpos dsDNA verdadeiros. No entanto, parecem ser raros.
  • O segundo grupo visa os polímeros de bases de purina e pirimidima que, como antigénios, só estão acessíveis às células imunocompetentes no ADN monocatenário, ou seja, no estado desnaturado. Estes anticorpos são considerados os únicos anticorpos ssDNA reais.  
  • O terceiro grupo ataca o cerne de desoxirribose-fosfato que está presente tanto nas moléculas ssDNA como nas dsDNA. Por conseguinte, não são anticorpos reais nem de dsDNA nem de ssDNA. A maioria (85% a 95%) dos anticorpos de ADN nas amostras de doentes insere-se nesta categoria.

De um ponto de vista técnico, é impossível medir anticorpos ssDNA reais num único teste (usando bases de purina e pirimidina como o único antigénio). Todos os testes de anticorpos de ssDNA medem os anticorpos de DNA pertencentes às categorias 2 e 3. Os anticorpos de ssDNA estão normalmente presentes no LED e no lúpus induzido por fármacos (LIF). Em conjunto com os anticorpos de histona e na ausência de anticorpos dsDNA, podem ajudar no diagnóstico do LIF. No entanto, não são específicos mas também ocorrem na esclerodermia sistémica e localizada, doenças hepáticas, várias doenças do tecido conjuntivo e alguns indivíduos normais.

No ensaio Varelisa, a placa é revestida com ADN monocatenário (ssDNA) sintético.

Quando é que a medição é recomendada?

Suspeita de LED ou lúpus induzido por fármacos.

Isótipos de anticorpos

IgG

Métodos de detecção

Ensaios de imunoabsorção enzimática (ELISA).

Referências bibliográficas

Takehara K et al.  |  Ruffati A et al.  |  Lange A. 

Voltar ao início

 

Histonas

Produto

Artigo N.º

N.º de testes

Varelisa Histone (IgG/IgM) Antibodies 164 96 96 testes

Antigénio

Como doença auto-imune, o LED caracteriza-se por um quadro clínico complexo e por uma grande diversidade de anticorpos. Os anticorpos contra o dsDNA e RNP-Sm são os mais proeminentes no diagnóstico do LED, visto que demonstram uma elevada especificidade para a doença. De prevalência comparável são os anticorpos contra as proteínas de histona que se ligam ao ADN (H1, H2A/H2B, H3 e H4). Podem ser encontrados em até 50% de todos os soros dos doentes com LED. A sua frequência aumenta para 80% nos doentes com patologia aguda. Os anticorpos anti-histona (AHA) são clinicamente importantes para o diagnóstico do lúpus eritematoso induzido por fármacos. Os fármacos como a hidralazina, procainamida e isoniazida são conhecidos pelo seu efeito de indução do LE. Para além dos anticorpos contra histonas individuais, também se encontram frequentemente, no LIF, anticorpos contra complexos de histona, tais como o H2A-H2B e H3-H4. Dependendo do fármaco indutor, 90% a 95% dos doentes com LIF apresentam resultados positivos de anti-anticorpos de histona. Contudo, o teste possui um valor limitado, visto que estes anticorpos estão presentes noutras doenças, tais como infecções. Também já se observaram AHA em doentes com artrite reumatóide, doença mista do tecido conjuntivo e esclerodermia progressiva. No entanto, a incidência de AHA nestes doentes é baixa, indo de 10 a 15 porcento.

No ensaio Varelisa, a placa é revestida com proteínas de histona humanas purificadas H1, H2A, H2B, H3 e H4.

Quando é que a medição é recomendada?

Suspeita de lúpus induzido por fármacos. 

Isótipos de anticorpos

IgG e IgM (medidos com conjugado misturado)

Métodos de detecção

Ensaios de imunoabsorção enzimática (ELISA).

Referências bibliográficas

Rubin R.  |  Harmon CE, Portanova JP  |  Shoenfeld Y, Segol O. 

Voltar ao início

 

Scl-70 / DNA topoisomerase I

Produtos

Artigo N.º

N.º de testes

Varelisa Scl-70 Antibodies 169 96 96 testes
EliA Scl-70 14-5506-01 2x12 testes

Material Promocional

Pasta de Desempenho
EliA ANA Differentiation (pdf)
Sm, U1RNP, RNP70, Ro, La, Scl-70, CENP, Jo-1 

Antigénios

Em 1979, foram descritos os anticorpos de doentes com esclerodermia que reagem a uma proteína 70 kDa. Assim, deu-se ao antigénio o nome de Scl-70. Em 1986, o Scl-70 foi identificado como topoisomerase I (topo-I). A Topoisomerase I catalisa a divisão/reunião de ADN monocatenário e relaxa o ADN superenrolado in vitro. A enzima nativa é maior que o 70 kDa (100 kDa) mas é frequente encontrar-se apenas o seu fragmento proteolítico mais pequeno.

O ensaio Varelisa Scl-70 Antibodies e os EliA Scl-70 Wells são revestidos com antigénio Topoisomerase I humano recombinante.

Associação de doenças, prevalência e especificidade de anticorpos

  • Esclerodermia (30-60%), muito específico.
  • Os anti-Scl-70 não excluem doenças adicionais de Al, tais como LED, síndrome de Sjögren. 
  • Não presente em familiares de doentes com esclerodermia ou outros indivíduos saudáveis.
  • Raramente encontrados na síndrome de Raynaud, mas frequentemente como preditor de esclerodermia.

Informações acerca de Esclerodermia

Os anti-Scl-70 raramente estão presentes nos mesmos doentes como anticorpos anti-centrómeros.

Actividade da doença

A maioria dos estudos concluiu que o grau não está relacionado com a actividade ou duração da doença. No entanto, existem evidências de que os níveis de anti-Scl-70 estão relacionados com a gravidade e actividade da doença na esclerose sistémica (ver bibliografia Hu et al., 2003).

Quando é que a medição é recomendada?

Suspeita de esclerodermia.

Isótipos de anticorpos

IgG

Referências bibliográficas

Vazquez-Abad D, Rothfield NF (1996)  |  Verheijen R (1996)  |  Spencer-Green G, Alter D, Welch HG (1997)  |  Hu PQ, Fertig N, Medsger TA, Wright TM (2003) 

Voltar ao início

 

Centromere Protein (CENP)

Produtos

Artigo N.º

N.º de testes

Varelisa CENP Antibodies 168 96 96 testes
EliA CENP 14-5505-01 2x12 testes

Material Promocional

Pasta de Desempenho
EliA ANA Differentiation (pdf)
Sm, U1RNP, RNP70, Ro, La, Scl-70, CENP, Jo-1

Antigénios

O centrómero é o local de constrição primária dos cromossomas eucarióticos, onde os cromatídeos irmãos aparecem emparelhados mais estreitamente. Os três antigénios de centrómero principais são o CENP-A (19 kDa), o CENP-B (80 kDa) e o CENP-C (140 kDa), mas o mais importante deles é o CENP-B. Os anticorpos do CENP-A e C costumam ter uma reacção cruzada e encontram-se quase sempre em combinação com os anticorpos anti-CENP-B. O CENP-B é reconhecido por quase todos os soros com anticorpos anti-centrómero (ACA).

O CENP-B encontra-se na heterocromatina, por baixo do cinetócoro e forma provavelmente um dímero que se liga ao ADN e desempenha um papel importante na regulação da estrutura de cromatina de ordem mais elevada no centómetro.

O ensaio Varelisa CENP Antibodies e o EliA CENP Well são revestidos com CENP-B humano recombinante.

Associação de doenças, prevalência e especificidade de anticorpos

  • CREST (cerca de 55%).
  • Doença de Raynaud (10-15%).
  • Esclerodermia sistémica difusa (muito raramente - ACA em SSc indica um prognóstico significativamente melhor).
  • Outras condições reumáticas com fenómeno de Raynaud; por exemplo, artrite reumatóide, síndrome de Sjögren, etc. (33%).
  • Cirrose biliar primária (CBP) (10-20%).
  • Não se encontra em indivíduos saudáveis, mesmo em graus baixos (ou é extremamente raro).
Os ACA raramente estão presentes em doentes com anti-Scl-70.

Actividade da doença

O grau não está relacionado com a actividade ou duração da doença.

Quando é que a medição é recomendada?

Síndrome de Raynaud, suspeita ou diagnóstico de esclerodermia, cirrose biliar primária.

Isótipo de anticorpos

IgG

Referências bibliográficas

McHugh NJ (1996)  |  Rothfield NF (1996)  |  Spencer-Green G, Alter D, Welch HG (1997)

Voltar ao início

 

PM-Scl   NOVO!

Produto

Artigo N.º

N.º de testes

Elia PM-Scl 14-5602-01 2x12 testes

 

Material Promocional

EliA PM-Scl (pdf)

Antigénios

O EliA PM-Scl é revestido com antigénio PM-Scl recombinante humano.

Associação de doenças, prevalência e especificidade de anticorpos

  • 24% dos doentes com síndrome de sobreposição de PM/SSc
  • 8% dos doentes com polimiosite
  • 3% dos doentes com esclerodermia

Prevalência em controlos (especificidade)

A maioria das publicações indica uma especificidade muito elevada; no entanto, também é descrita uma co-ocorrência frequente em doentes com LED cujo ADN é positivo.

Indicações de um resultado PM-Scl positivo

Aprox. 70% dos doentes com PM-Scl positivo têm sobreposição de PM/SSc, aprox. 20% têm miosite idiopática e aprox. 10% têm esclerodermia.

Actividade da doença

Regra geral, o anticorpo continua a ser detectável durante a doença e indefinidamente após a mesma, apesar do controlo da actividade da doença. Por vezes, o anticorpo torna-se indetectável. A utilidade clínica da flutuação dos anticorpos de anti-PM-Scl requer mais investigação.

Quando é que a medição é recomendada?

  • Suspeita de síndrome de sobreposição de polimiosite/esclerodermia (PM/SSc)
  • Suspeita de esclerose sistémica
  • Suspeita de escleromiosite na infância
  • Diagnóstico/diagnóstico diferencial de miosite de origem dúbia

Isótipo de anticorpos

IgG

Referências bibliográficas

Conrad K et al (2002)  |  Walker JG, Fritzler MJ (2007)  |  Mahler M et al (2009)  |  Jaskowski TD et al (2011)

Voltar ao início 

Jo-1 / Histidil-tRNA-Sintetase

Produtos

Artigo N.º

N.º de testes

Varelisa Jo-1 Antibodies 167 96 96 testes
Elia Jo-1 14-5507-01 2x12 testes

Material Promocional

Pasta de Desempenho
EliA ANA Differentiation (pdf)
Sm, U1RNP, RNP70, RO, La, Scl-70, CENP, Jo-1

Antigénios

Jo-1 é sinónimo de histidil tRNA sintetase. Esta enzima citoplásmica catalisa a esterificação da histidina no seu cognato tRNA. A ligação dos anticorpos anti-Jo-1 situa-se no citoplasma dos diversos tipos de célula examinados. O histidil tRNA sintetase está presente como homodímero na célula; subunidades idênticas de aproximadamente 50 kDa estão ligadas ao tRNA. Os soros com anti-Jo-1 reconhecem apenas histidil-tRNA sintetases e não aminoacil-tRNA sintetases. Reagem apenas a histidil-tRNA sintetases com eucarióticas mais elevadas. A maior afinidade está presente nas proteínas humanas.
O ensaio Varelisa Jo-1 Antibodies e o EliA Jo-1 Well estão revestidos com Jo-1 humano recombinante.

Associação de doenças, prevalência e especificidade de anticorpos

  • Miosite em adultos (cerca de 30%) - quase exclusivamente em doentes com miosite: 54% miosite primária, 40% dermatomiosite, 6% miosite no quadro de outra doença do tecido conjuntivo. Os doentes com anti-Jo-1 tendem a ter uma doença grave com tendência para recaídas e um prognóstico menos favorável. A "síndrome anti-sintetase" é determinada pelos anticorpos para anti-tRNA sintetase.
  • Anti-Jo-1 fora do âmbito da miosite: doença pulmonar intersticial (muito raramente).

Actividade da doença

Regra geral, o anticorpo continua a ser detectável durante a doença e indefinidamente após a mesma, apesar do controlo da actividade da doença. Por vezes, o anticorpo torna-se indetectável, sendo que esses casos são associados à remissão da doença. A unidade clínica da flutuação dos anticorpos de anti-Jo-1 requer mais investigação.

Embora seja bastante invulgar o desenvolvimento dos anticorpos de anti-Jo-1 num doente que não os tinha anteriormente, pode considerar-se a repetição dos testes de tal doente para confirmar a exactidão do resultado anterior numa situação clínica sugestiva, como a miotese com doença pulmonar intersticial. Num doente com resultado positivo, para além dos testes de confirmação, e em caso de dúvida, a repetição dos testes pode ser considerada quando o tratamento for descontinuado, uma vez que o risco de reexacerbação é elevado se o anticorpo persistir.

Quando é que a medição é recomendada?

Suspeita de qualquer tipo de miosite.

Isótipo de anticorpos

IgG

Referências bibliográficas

Maddison PJ (1996)  |  Targoff IN, Plotz PH (1996)  | Delarue M (1995)  |  Targoff IN (1992) 

Voltar ao início