Explicação da alergia

A alergia é uma deficiência do sistema imunitário que provoca uma reacção a substâncias normalmente inócuas, denominadas alergénios. Nesta secção irá aprender mais sobre o que despoleta a reacção, a importância da IgE e o motivo por que a medição da IgE é um passo importante para gerir os sintomas e ajudar os doentes a sentir-se melhor.

Reacção alérgica  |  IgE |  Importante medir o nível de IgE  |  Mastócito  |  Histamina 

Como é despoletada uma reacção alérgica?

Uma reacção alérgica é despoletada pela substância (alergénio) específica a que a pessoa é alérgica. Quando exposto a este alergénio, o corpo detecta um invasor estranho.

O alergénio liga-se aos anticorpos IgE. Quando isso acontece, o mastócito abre para libertar substâncias inflamatórias, por ex. a histamina, que viaja rapidamente através do corpo para combater aquilo que considera perigoso. A histamina afecta o tecido corporal e provoca uma inflamação.

Os sintomas que se desenvolvem dependem da área do corpo onde é libertada a histamina. Nariz a pingar, olhos lacrimejantes e com prurido, falta de ar e pele seca podem ser sinais de mastócitos a reagir em áreas específicas do corpo.

Para a maior parte das pessoas, a alergia começa como uma condição limitadora e desconfortável, embora inofensiva, e podem passar anos até os sintomas se desenvolverem. Para outras, as reacções alérgicas podem ser mais graves e representar uma ameaça ao bem-estar geral. Em alguns casos raros, determinados alimentos, medicamentos ou picadas de insecto podem resultar num choque anafilático súbito que pode ser fatal.

IgE – os anticorpos do corpo contra alergias

IgE - Imunoglobulina E - é um tipo de proteína denominado anticorpo. Desempenha um papel importante nas reacções alérgicas, sendo por isso frequentemente denominado "anticorpo das alergias".

Se uma pessoa for alérgica a uma determinada substância (alergénio), o sistema imunitário acredita erradamente que esta substância normalmente inócua, por ex. o pólen, é de facto prejudicial ao corpo.

Quando a pessoa fica exposta a esta substância em particular, o sistema imunitário inicia a produção de IgE numa tentativa de proteger o corpo. Os anticorpos IgE permanecem no corpo e, da próxima vez que houver contacto com a substância alergénica, pode ocorrer uma reacção alérgica.

O resultado é que alguém que tenha uma alergia tem níveis elevados de IgE no sangue. IgE específico de cada alergénio. Isso significa que o IgE de gatos só pode despoletar uma reacção alérgica aos gatos.IgE.

Meça o nível de IgE para saber a que é alérgico o doente.

Uma análise ao sangue ajuda a identificar a quantidade de IgE no corpo. Conhecer os níveis de IgE do doente para diferentes substâncias ajuda a identificar os estímulos específicos das alergias que podem estar a contribuir para os sintomas, ou seja, se o doente é alérgico e aquilo a que é alérgico.

Um resultado quantitativo do teste de IgE aumenta a possibilidade de classificar a forma como diferentes substâncias afectam os sintomas. O princípio empírico geral é que quanto mais elevado o valor de anticorpos IgE, maior a possibilidade de aparecimento dos sintomas. Os alergénios encontrados em baixos níveis que actualmente não resultam em sintomas podem ainda assim ajudar a prever o desenvolvimento de sintomas no futuro.

O valor dos mastócitos

Os mastócitos são uma parte muito importante do sistema imunitário e podem ser encontrados em todo o corpo. Dentro dos mastócitos encontram-se diferentes químicos, por exemplo a histamina, que causam inflamação.

O papel da histamina na alergia

Os sintomas da alergia são provocados pela histamina, que inicia uma resposta inflamatória para proteger o corpo. A histamina expande os vasos sanguíneos para que a membrana mucosa fique inchada. É libertada dos mastócitos.