Síndrome dos Anticorpos Antifosfolipídicos

Anticorpos da Cardiolipina | Anticorpos da ß2-glicoproteína I

Anticorpos da Cardiolipina

Produtos

Artigo N.º

N.º de testes

EliA Cardiolipina IgG 14-5529-01 4 x 12
EliA Cardiolipina IgM 14-5530-01 4 x 12
EliA Cardiolipina IgA NOVO! 14-5528-01 2 x 12
Rastreio de Anticorpos da Cardiolipina Varelisa 158 96 96 testes
Anticorpos da Cardiolipina IgG Varelisa 155 96 96 testes
Varelisa Cardiolipin IgM Antibodies 156 96 96 testes
Varelisa Cardiolipin IgA Antibodies 157 96 96 testes

Material Promocional

Características de desempenho
EliA APS (pdf)
EliA APS IgA (pdf) NOVO!

Antigénios

Ao contrário da maioria dos outros auto-antigénios, a cardiolipina é apenas um fosfolípido. Os fosfolípidos são componentes importantes das membranas das células vivas e das organelas dessas células. A cardiolipina encontra-se em membranas bacterianas, mitocôndria e cloroplastos.

A cardiolipina é formada por dois grupos de ácido fosfatídico, cada um deles ligado a uma fracção de glicérido por uma ligação fosfodiéster e unidos por uma fracção de glicerol central.

Os anticorpos ligam-se ao complexo de cardiolipina e ao cofactor ß2-GPI.

Os ensaios são revestidos com cardiolipina purificada.

Especificidade e prevalência dos anticorpos

  • Síndrome dos anticorpos antifosfolipídicos (SAAF) (um dos dois critérios laboratoriais para o diagnóstico de SAAF).
  • AVC (7%), AVC em doentes jovens (18%).
  • Abordo espontâneo*: 3 ou mais abortos espontâneos consecutivos (15%), no 2.º ou 3.º trimestre (30%), com atraso do crescimento e aborto espontâneo tardio (40%).
  • SAAF secundária no LED (10-15%).
  • Doenças do tecido conjuntivo, como o LED (44%), a AR (4-49%), a Esclerodermia (25%) e a artrite crónica juvenil (42%) (valores de SAAF secundária incluídos).
  • Doenças infecciosas como Febre da Carraça (32%), sífilis (75%), lepra (67%), tuberculose (53%) e outras (febre Q, SIDA).
  • Epilepsia (11%).
  • Indivíduos saudáveis (0-7,5%).

* valores referentes a anticorpos antifosfolípidos em geral

Informações acerca da Síndrome dos Anticorpos Antifosfolipídicos

Actividade da doença

Os níveis elevados de aCL estão relacionados com o risco aumentado de trombose ou aborto espontâneo. Os níveis aumentados de anticorpos anti-cardiolipina podem ser detectados durante muitos anos antes da ocorrência de uma trombose ou aborto espontâneo. O risco de aborto espontâneo aumenta de 6,5% (aCL negativo) para 15,8% com aCL positivo.

Quando é que a medição é recomendada?

  • Suspeita de síndrome dos anticorpos anti-fosfolipídicos.
  • Aborto espontâneo.
  • AVC em doentes jovens.
  • Trombose inexplicada.
  • Em debate: cefaleias, epilepsia, coreia, doença das válvulas cardíacas, úlceras da pele, etc.

Isótipos de anticorpos

O IgG é aceite como o isótipo mais frequente e importante na detecção do aCL, mas também se recomenda a medição dos IgM e IgA, sem o que se podem perder alguns doentes de risco. A descrição que se faz da associação clínica de diversos isótipos aCL na literatura é controversa.

Referências bibliográficas

Moris V, Mackworth-Young C (1996)  |  Khamashta MA, Hughes GRV (1996)  |  Roubey RA (1999)   

Voltar ao início

 

Anticorpos da ß2-glicoproteína I

ProdutosArtigo N.ºN.º de testes
EliA ß2-Glicoproteína I IgG 14-5532-01 4 x 12
EliA ß2-Glicoproteína I IgM 14-5533-01 4 x 12
EliA ß2-Glicoproteína I IgA NOVO! 14-5531-01 2 x 12
Rastreio de Anticorpos ß2-glicoproteína I Varelisa 190 96 96 testes
Anticorpos ß2-glicoproteína I (IgG) Varelisa 187 96 96 testes
Anticorpos ß2-glicoproteína I (IgM) Varelisa 188 96 96 testes
Anticorpos ß2-glicoproteína I (IgA) Varelisa 189 96 96 testes

Antigénios

ß2-glicoproteína I (ß2GPI) liga-se a substâncias com carga negativa, tais como fosfolípidos e lipoproteínas. Um número crescente de estudos indica que o ß2GPI é requerido como cofactor ou é efectivamente o antigénio "real" da ligação dos anticorpos antifosfolípidos. Os epítopos conformacionais do anti-ß2GPI desenvolvem-se quando este interage com uma membrana lípida formada por fosfolípidos com carga negativa ou quando o ß2GPI é absorvido numa placa poliestireno polioxigenado.

O ß2GP1 é uma proteína de plasma 50 kDa, formada por cinco motivos homólogos de aproximadamente 60 aminoácidos.

O ß2GP1 nos nossos ensaios é purificado a partir de plasma humano.

Especificidade e prevalência dos anticorpos

  • Síndrome dos anticorpos antifosfolipídicos (SAAF).
  • Ataque isquémico (24%).
  • Aborto espontâneo (7-14%).
  • Doenças do tecido conjuntivo como o LED (36%), a artrite reumatóide (AR), a esclerodermia, a artrite crónica juvenil.
  • Epilepsia (18%).
  • Indivíduos saudáveis (muito raramente).

(os valores disponíveis variam substancialmente devido aos diferentes métodos e isótipos.)

Informações acerca da Síndrome dos Anticorpos Antifosfolipídicos

Actividade da doença

Os níveis elevados estão relacionados com o risco aumentado de trombose ou aborto espontâneo.

Quando é que a medição é recomendada?

  • Aborto espontâneo.
  • AVC em doentes jovens.
  • Trombose inexplicada.
  • em doentes com aCL negativo e suspeita de SAAF.
  • em doentes com aCL positivo, possivelmente com SAAF, para confirmar o diagnóstico.

Isótipos de anticorpos

De acordo com os critérios de classificação da Síndrome dos Anticorpos Antifosfolipídicos (2006), o IgG e o IgM são os isótipos relevantes para a detecção dos anticorpos contra a ß2-glicoproteína I. Não obstante, um número crescente de estudos também indica a relevância clínica do isótipo IgA. 

Métodos de detecção

Para a detecção dos anticorpos, o ß2GP1 tem de ser ligado a uma membrana lípida composta por fosfolípidos com carga negativa. Em alternativa, o ß2GP1 pode ser absorvido numa placa de poliestireno polioxigenada (irradiada).

Referências bibliográficas

Matsuura E, Koike T (1996)  |  Reddel SW, Krilis SA (1999)  |  Tincani A, Balestieri G, Spatola L et al. (1998)  

Voltar ao início